7º Mutirão: ativistas marcam ações para defender inocência de Lula

Diferentes atividades fazem parte da programação nacional do 7º Mutirão que, nesta edição, vai contar com Festival Lula Livre no Triângulo Mineiro, Show Triplex no Espírito Santo com a participação de sambistas, passeio de bicicleta em Recife, além de panfletagens e coleta de assinaturas para o abaixo-assinado para anular os processos contra Lula. Em Porto Alegre, a atividade acontecerá no dia 1º, das 11h às 13h, em frente ao monumento do Expedicionário.

Organizada pelo Comitê Lula Livre de Porto Alegre, a atividade contará com roda de chimarrão, panfletagem e animação do Bloco Ai que saudade do meu ex!

No 7° Mutirão Lula Livre, marcado para o 30 de novembro e 01 de dezembro, após a decisão do Tribunal Regional Federal da quarta região (TRF-4) de continuar a farsa jurídica contra Lula, os comitês em todo o país organizam atividades com o objetivo de esclarecer a sociedade brasileira sobre os abusos da Lava Jato e exigir a anulação dos processos contra ele.

Após a sentença que ampliou a pena contra o ex-presidente, o Comitê Nacional Lula Livre divulgou em nota que “a indigna decisão da corte somente pode provocar repulsa entre os defensores da democracia e do Estado de Direito. Não resta qualquer dúvida acerca do objetivo desse braço bolsonarista no sistema de justiça: impedir que o ex-presidente Lula reconquiste sua completa liberdade, com a anulação dos processos e a recuperação de seus direitos político-eleitorais”.

Diante da ofensiva da Lava Jato contra Lula, de acordo com o presidente do Instituto LulaPaulo Okamotto, é fundamental continuar as atividades para defender a liberdade e os direitos do ex-presidente.

“Precisamos estar organizados em cada comitê nas cidades e via WhatsApp para conversar com a população sobre o que está acontecendo no Brasil. Só assim vamos conquistar liberdade e os nossos direitos”, defendeu Okamotto.

Matéria editada a partir da notícia publicada em https://lulalivre.org.br/2019/11/29/ativistas-defendem-inocencia-de-lula-apos-decisao-injusta-do-trf-4/