Um Canto de Liberdade Justiça, Democracia e Esperança #LulaLivre Juventude Petista de esquerda e socialista

Hoje, a democracia, que iniciou sua construção durante nossos anos de fundação, está sob risco sem ter sua consolidação efetivada e o PT deve, novamente, resistir como um instrumento fundamental para as lutas da classe trabalhadora e para a construção e fortalecimento da democracia participativa no Brasil, com legítima e radical participação popular.

As classes dominantes articularam novamente um golpe, dessa vez travestido de normalidade institucional, que ao passo em que trabalha, diuturnamente, para defender e garantir os privilégios de setores que apoiaram e apoiam o golpe e o atual governo, retira os direitos de trabalhadoras e trabalhadores através de medidas como a limitação de tetos de investimentos sociais (EC95a Reforma Trabalhista, a Reforma da Previdência e a futura Reforma Tributária, consequência da política ultra neoliberal.

 Assim, nós, jovens petistas e demais setores que sofrem com o aprofundamento da exploração-opressão estrutural fruto desse projeto que nos organizamos através de núcleos de bases, coletivos e tendências que compõem o Partido dos Trabalhadores e das Trabalhadoras reiteramos nosso compromisso com a defesa de nosso partido; de nosso legado nas políticas e nas gestões públicas; na reorganização da estrutura partidária; na luta por Lula Livre; na construção de uma projeto de sociedade socialista, livre, soberana e democrática; na defesa intransigente das nossas conquistas institucionais; e na construção de reformas estruturais e populares.

Para construirmos um novo projeto de sociedade, é necessária a participação da juventude em todas as esferas políticas. Dessa forma, requeremos, através deste manifesto, que o VII Congresso do PT reafirme e aprofunde as decisões congressuais (já aprovadas), e propostas a seguir, com objetivo de consolidá-las e aprimorá-las: REAFIRMAR E CONVOCAR A REALIZAÇÃO DO IV CONJPT – ESTATUTÁRIO E COM ETAPAS MUNICIPAIS, JUNTO COM UMA MASSIVA CAMPANHA DE FILIAÇÃO DE JOVENS.

 Em um momento no qual a conjuntura política brasileira e mundial apresentam uma forte ofensiva dos setores conservadores e ultra neoliberais, que exploram e subjugam os povos e suas soberanias, a juventude tem a tarefa de se organizar e resistir a este projeto imperialista, entreguista, genocida e anti-povo. Entendemos ser importante o enraizamento do PT e da JPT nos municípios do Brasil com uma atuação efetiva na base buscando uma reaproximação dos movimentos sociais, através da construção de núcleos petistas e da luta por Lula Livre.

É extremamente necessário que a JPT esteja organizada para seguir disputando corações e mentes dos e das brasileiras e fomentando as disputas majoritárias e proporcionais com o intuito de garantir a representação e a implementação das políticas públicas de juventude como forma de apoio ao protagonismo juvenil e a garantia de suas vidas, corpos e territórios. Assim, acreditamos que para termos êxito na construção de uma juventude socialista, democrática e de massas deve-se existir em cada município brasileiro a organização da juventude por meio da JPT.

Portanto, defendemos e conclamamos que o conjunto do partido assuma a responsabilidade de realizar o 4º CONJPT no primeiro semestre de 2020, conforme deliberado no último Congresso Extraordinário da Juventude do PT, que ocorreu em junho de 2018, assegurando as etapas municipais e estaduais, com a garantia da discussão e da regulamentação do estatuto da JPT. E, diante das dificuldades encontradas à nível nacional, desde 2015, de convocação e realização do Congresso Nacional da JPT, reafirmamos o

compromisso da JPT do Rio Grande do Sul em realizar o seu Congresso Estadual, garantindo, também, as etapas municipais, caso não se concretize a proposta de calendário apresentada pela Secretaria Nacional da JPT.

REAFIRMAR A DESTINAÇÃO E A GESTÃO DE 5% DO FUNDO PARTIDÁRIO PARA A JPT

Acreditamos que o debate econômico deve ser feito centrado no povo, e que devemos reconhecer os erros em não pautarmos transformações, ainda, mais estruturais no desenvolvimento da juventude. Assim, devemos propor à sociedade o debate sobre uma economia voltada para a juventude que garanta renda, qualidade de vida e seguridade social e não uma economia uberizada, que adoece, explora e desqualifica a mão de obra e o ser pensante dos e das jovens brasileiros.

Para tal, a Juventude do PT, que é uma juventude partidária, reconhecendo sua responsabilidade com a atual conjuntura da classe trabalhadora brasileira e seu espaço estratégico na construção de uma sociedade justa e igualitária para homens e mulheres, reafirma a necessidade de garantir o repasse dos 5% do Fundo Partidário para a instância, visando tanto a ampliação da sua autonomia e organização quanto o fortalecimento de lideranças jovens para fazer a disputa real da sociedade, em especial, para as eleições de 2020, permitindo o financiamento de atividades militantes, além de possibilitar a estruturação de Fóruns de Formulação para a Juventude do PT.

PARA ALÉM DA DEFESA DAS COTAS GERACIONAIS, ÉTNICO-RACIAIS E DA PARIDADE COMO INSTRUMENTO DE DEMOCRATIZAÇÃO INTERNA DO PARTIDO E FORTALECIMENTO DAS MINORIAS NA SOCIEDADE, A LUTA PELA AUTONOMIA DA JPT

Desde a luta Contra o Impeachment de Dilma Rousseff até as mobilizações do #EleNão, às vésperas da Eleição de 2018, passando pela construção da Frente pelo Desencarceramento em massa e por um Nova Política de Drogas e Saúde Mental, somando-se à Frente Contra a Criminalização das Mulheres e pela Legalização do Aborto, chegando ao Tsunami da Educação e à luta pela Soberania Popular e pelo direito aos Corpos, Territórios e Espírito, lá, estavam elas nas fileiras da frente, agitando, mobilizando, formulando, ocupando, liderando, perdendo a liberdade, e, às vezes, até morrendo.

A organização das jovens mulheres vem de encontro com as novas demandas da sociedade e o movimento feminista vem ganhando grande visibilidade, especialmente da juventude que busca se organizar politicamente, assim, as jovens mulheres brasileiras têm cumprindo papel fundamental na luta contra o fascismo, na construção da resistência popular e na luta por uma sociedade mais justa e igualitária. O Brasil é o país que mais mata sua juventude, em especial, a negra e periférica.

Nos Governos do PT construímos políticas afirmativas que visavam o combate do racismo e o fortalecimento das questões étnico-raciais como, por exemplo, a instituição de cotas sociais (renda) e raciais no SISU e no PROUNI, programas fundamentais para garantir a juventude negra e periférica na centralidade das Políticas Públicas de Juventude e o fortalecimento das questões étnico-raciais de forma transversal, ou seja, passando por todas as fases e momentos da vida de cada indivíduo e por toda a sociedade.

Por tudo exposto, acreditamos, veementemente, na importância das Cotas de Juventude (Geracionais), Mulheres (Paridade) e Étnico-raciais, e no reconhecimento da JPT como uma organização partidária de juventude autônoma, não estando apenas dispersa por cotas numa multitude de diretórios, às vezes indicada por mandatos, diluindo-se como sujeito. É através disso que garantiremos a construção de novas lideranças e o fortalecimento de nossos dirigentes jovens, para que o PT possa ser o partido que de fato representa o povo brasileiro e suas diversidades, garantindo um Partido amplo, plural e representativo.

REAFIRMAMOS A IMPORTÂNCIA DA JUVENTUDE FORTALECER A SECRETARIA LGBT

O governo Bolsonaro tem feito grande ataques às políticas públicas para a comunidade LGBT com seu discurso e ações governamentais de cunho LGBTfóbico desde as eleições.Com isto, se faz necessária toda organização social para o enfrentamento desses retrocessos. O PT conquistou um grande avanço para esta luta no último congresso, a criação da Secretaria LGBT.A Secretaria precisa de amplo apoio de toda juventude do PT, nos municípios, estados e no âmbito nacional, participando e construindo ao lado da Secretaria Nacional a luta pela garantia dos direitos da comunidade LGBT. Partido é dos trabalhadores e das trabalhadoras!