Secretarias realizam formação para jovens feministas e LBTs

As Secretarias Estaduais de Mulheres, Juventude e LGBT realizaram, neste sábado, 09, um seminário de formação para jovens feministas e LBTs (Lésbicas, Bissexuais e Transsexuais). O encontro aconteceu no auditório do Sindicato dos Bancários e contou com a participação da Secretária Nacional LBGT do PT, Janaína Oliveira e da representante da Executiva Nacional do PT, Juçara Dutra Vieira. A coordenação do encontro foi da Secretária Estadual de Mulheres do PT/RS, Misiara Oliveira, com a participação do Secretário Estadual LGBT, Douglas Butzke e da Secretária Estadual de Juventude do PT/RS, Jaqueline Severo da Cas.

Participaram, também, as integrantes da Executiva Estadual do PT/RS, Eliane Silveira (Secretária de Comunicação), Adelaide Klein (Secretária de Movimentos Sociais), Laura Sitto (Secretária de Mobilização). Além de Janaína Oliveira, foram painelistas convidadas Marcia Ustra Soares, Juliana Souza, Suelen Aires, Mariana Marques SEbastiany, Dienifer Vianna, Katiele Menger, Regina Brunet e Rossana Prux.

Desafios do momento atual

Para a Secretária Nacional LGBT do PT, Janaína Oliveira, o atual momento do Brasil é extremamente desafiador para os movimentos de esquerda. “Bolsonaro deu o recado na posse, quando afirmou que o politicamente correto acabou”, disse e alertou “equivocam-se aqueles que pensam que os ataques às chamadas pautas identitárias são cortina de fumaça para encobrir as pautas econômicas. Pelo contrário, a pauta moralista é a pauta de consolidação do poder da direita conservadora”.

Janaína lembrou, ainda, que com o  vídeo postado na sua conta do Twitter, durante o carnaval, Bolsonaro aumentou 197 mil seguidores e reavivou outras centenas de milhares que estavam “adormecidos”. “É muito preocupante que 30% da população LGBT tenha optado, nas eleições, por candidaturas conservadoras”, ressaltou. Para ela, o momento atual exige muita compreensão, entendimento e solidariedade às violências específicas que cada público sofre. “Assim como fizeram os movimentos democratas nos EUA, precisamos construir uma revolução colorida com transversalidade das nossas lutas”, defendeu.

A reinvenção do patriarcado

Marcia Soares, militante feminista desde o período da clandestinidade partidária, abordou o tema “Capitalismo, Desigualdade de Gênero e Patriarcado: relações históricas, estruturais e estruturantes”. De início, alertou: “o patriarcado se reinventa”. Para ela, hoje não se trata mais apenas da dominação do masculino sobre o feminino. A esta se soma a dominação do masculino sobre tudo o que classifica de não-masculino, por mais que mantenha sua base concreta na divisão sexual do trabalho.

De acordo com Marcia, nossa sociedade hoje se estrutura com base na diferença, na desigualdade. E a questão de raça é constituinte da desigualdade. “Se vamos falar do capitalismo e patriarcado a gente precisa falar de controle e violência – que é legitimado pelo estado”, apontou, lembrando que o Brasil é o quinto país que mais mata mulheres no mundo. “Não existe bala perdida no Brasil, elas têm endereço certo, local certo”, disse.

Feminismos e Diversidade

A Secretária Estadual de Mulheres do PT/RS, Misiara Oliveira, destacou a importância do feminismo por seu papel histórico e por sua capacidade, no decorrer do tempo e na contemporaneidade, de se abrir para incorporar novas dimensões das lutas das mulheres. “Ao longo do tempo incorporamos a luta pela igualdade racial, a luta pelos direitos das jovens mulheres e a luta pelos direitos das LBTs e hoje pronunciamos feminismo no plural”, afirmou. “Ao saber mudar, compreender e incorporar, o feminismo e os feminismos fortalecem a resistência e dão potencialidade à luta no Brasil. O 8 de março deste ano é uma prova deste potencial mobilizador e de unidade”, concluiu Misiara.

Foto: Bruno Mendes