ABM cobra alternativas para Mais Médicos

A ABM (Associação Brasileira dos Municípios) está preocupada com a não reposição dos profissionais médicos cubanos em grande parte dos municípios,  em especial os mais longínquos e nas comunidades indígenas e periféricas.  Por isso, cobra do governo federal uma alternativa urgente, já que os médicos não estão se apresentando para trabalhar.

“O governo anunciou a imediata reposição dos profissionais com o novo edital, depois da saída dos cubanos, mas não é o que estamos vivenciando. Em milhares de municípios as vagas não foram preenchidas e do jeito que vai, parece que nem serão”, diz o presidente da ABM Ary Vanazzi. “Vamos esperar até dia 14, o prazo final do edital, mas já  estamos nos organizando para fazer pressão junto ao governo. Os municípios não podem ficar desassistidos e pagar a conta pela desastrada política do presidente eleito Jair Bolsonaro que culminou na retirada dos cubanos do programa Mais Médicos.”

Apesar do edital e de mais de 90% das vagas terem sido preenchidas via inscrição,  na realidade estes inscritos não estão se apresentando para trabalhar, segundo dados do próprio governo.