RESOLUÇÃO DO DIRETÓRIO ESTADUAL DO PT/RS

Estamos na reta final de uma batalha decisiva para o futuro do Brasil e do povo brasileiro, particularmente da classe trabalhadora.

Com muita luta garantimos o segundo turno em razão do ótimo desempenho de nossa candidatura e o desempenho da candidatura de Ciro Gomes. Se dependesse das candidaturas golpistas, que tiveram um desempenho pífio, não haveria 2º turno.

Para vencer, nossa campanha deve aprofundar a polarização com o golpismo, conclamando a classe trabalhadora e o povo a defender seus direitos em uma cruzada em defesa do povo brasileiro, da classe trabalhadora, dos pobres e dos excluídos. Lutar para ampliar o voto no povão.

Bolsonaro é Temer, é golpista, votou a favor da Reforma Trabalhista, da terceirização irrestrita e do congelamento dos investimentos em saúde e educação.

Bolsonaro é uma farsa como candidato anti-sistema. Ele é o pior do sistema político. Ele é, na verdade, o candidato do sistema, dos interesses estrangeiros e dos ricos.

Nós é que podemos mudar o sistema, em favor do povo. A primeira mudança é, exatamente, revogar tudo aquilo que o governo golpista fez contra o povo.

Bolsonaro e os golpistas apontam para a destruição de mais direitos (fim do 13º salário e destruição da previdência).

Nós, temos que lembrar como o país era melhor na época do Lula, a gente tem que mostrar que o PT governou para os trabalhadores e para os pobres.

Bolsonaro manipula o discurso da moral e dos bons costumes. Bolsonaro e sua turma são o que de pior existe, com sua linha violenta e de disseminação do ódio. E nossa resposta deve ser colocar em primeiro lugar a defesa dos direitos econômicos e sociais.

Nossa campanha precisa ter como centro disputar o voto popular. Disputar o voto popular é colocar a pauta econômica e social em primeiro lugar. Precisamos, em especial, disputar o voto das mulheres trabalhadoras, das mulheres pobres, das mulheres negras, das mães e da juventude trabalhadora.

As mulheres foram as que mais perderam com o golpe. Foram as mulheres que, nos governos Lula e Dilma, receberam em seu nome o cartão do bolsa família, é das mulheres a maioria das titularidades do programa Minha Casa, Minha Vida, praticamente extinto pelos golpistas.

São as mulheres as primeiras a sentirem o peso do desemprego, da ampliação da miséria e da violência social.

ORIENTAÇÕES IMEDIATAS

– Constituir imediatamente comitês suprapartidários, buscando ampliar com lideranças de outros partidos, personalidades, movimentos sociais, sindicais, culturais, populares e juvenis organizados, do campo e da cidade, entidades empresariais e organizar agendas de lutas pelos direitos econômicos, sociais e pela democracia.

– Convocar imediatamente reuniões plenárias em seus núcleos, setoriais, diretórios, sindicatos, entidades, movimentos, mandatos, campanhas etc.

– Montar equipes para visitar os bairros populares e as empresas, casa a casa, porta a porta, para conversar com as pessoas. Não esperar os panfletos nacionais. Ir de porta em porta conversando ou distribuindo material local.

– Montar equipes para fazer, desde já, a campanha nas redes. Não esperar diretrizes nem conteúdos centralizados, fazer por conta própria imediatamente. Quando chegar o material nacional, usar. Mas não ficar parado esperando.

– Orientar nosso povo a não ter medo, a não se esconder, muito menos a abrir mão de nossos símbolos, de levar nossa bandeira e nossa estrela, de enfrentar pautas e temas conservadores.

– Ocupar todos os espaços de imprensa, TV, rádio e mídias sociais na defesa da candidatura Haddad, buscando responder ataques de adversários nos mesmos.

 

Porto Alegre, 11 de outubro de 2018.

Diretório Estadual do PT/RS