PT e PCdoB anunciam oposição ao Estado e reforçam luta por Haddad e Manuela

A coligação Rio Grande Justo (PT/PCdoB) realizou entrevista coletiva no inicio da noite deste domingo (7) assim que os resultados eleitorais no Estado e no país se consolidaram. Os presidentes estaduais do PT, Pepe Vargas, e do PCdoB, Adalberto Frasson, acompanhados de Miguel Rossetto, Ana Affonso, Paulo Paim e Abigail Pereira, afirmaram que todas as forças serão concentradas para a campanha de Haddad e Manuela, e que são oposição as propostas apresentadas para os segundo turno no Governo do Estado.

O presidente do PT/RS, Pepe Vargas, agradeceu os mais de um milhão de votos, e destacou que o partido seguirá fazendo oposição aos projetos dos candidatos ao segundo turno no Rio Grande do Sul. “Nós agradecemos ao povo gaúcho, elegemos um senador, cinco deputados federais e oito estaduais, e vamos unificar nossas forças para a campanha Haddad e Manuela aqui no Estado, vamos convidar todas as forças democráticas, todos os movimentos sociais e que defendam uma sociedade democrática, que respeite as diferenças. As candidaturas para o segundo turno são duas faces de um mesmo projeto no qual queremos afirmar desde já que faremos oposição, em defesa do povo gaúcho”.

Adalberto Frasson, presidente do PCdoB/RS, disse que é hora de cerrar fileiras nesta luta pelo segundo turno nacional, para interromper o processo fascista no Brasil. “O povo nos colocou um grande desafio pela frente que é salvar o país do fascismo. Nós saímos desta campanha aqui no Estado derrotados por uma onda construída por um golpe que rompeu com a democracia. Nós continuaremos ao lado do povo defendendo seus direitos para trazer dias melhores. Queremos paz, progresso e desenvolvimento em nosso país e com esta bagagem e boa luta que esta chapa majoritária fez neste primeiro turno, vamos continuar e interromper o processo fascista que está em marcha para destruir o nosso país e povo”, afirmou.

Miguel Rossetto agradeceu aos eleitores e a parceria de Ana Affonso, de Abigail Pereira, cumprimentou o Senador eleito Paulo Paim e os demais eleitos para a Câmara Federal e Assembleia Legislativa. Avaliou que a votação da coligação Rio Grande Justo foi potente e significativa, afirmando que os projetos dos candidatos que disputarão os segundo turno não representam a mudança. “Este é um momento de agradecimento e de convocação. Estamos encerrando um primeiro processo de disputa democrática no Rio Grande do Sul. É um momento de agradecimento aos nossos militantes e candidatos que, com sua dedicação, levaram as nossas ideias de desenvolvimento, liberdade e democracia no RS. Quero agradecer, também, as incansáveis candidatas a vice-governadora e ao Senado, Ana Affonso e Abigail Pereira, que contribuíram aos resultados deste primeiro turno, por fim saudando a reeleição de Paulo Paim.”

“Somos e seguimos sendo uma importante força política no Rio Grande do Sul. Fizemos mais de um milhão de votos para o Governo Estadual, o que é uma votação muito expressiva e potente, o que nos dá uma representação política importante. Nós temos posição clara e anunciamos oposição durante todo debate político no RS. As candidaturas de Leite e Sartori não nos representam, e nós que já fomos governo saberemos ser oposição e preservar os direitos do povo gaúcho”, disse Rossetto, destacando que irá continuar defendendo o patrimônio público.

Para Rossetto este é um momento de convocação. “O foco agora é Haddad e Manuela, eles representam a esperança do povo brasileiro, uma opção democrática, para este país que é tão injusto. O Brasil não precisa de mais ódio e violência, precisa de paz, não precisa de armas, precisa de escolas e acolhimento, mais inclusão social. Agora é Haddad e nós a partir de nossos presidentes de partidos chamaremos para a disputa democrática o PDT, PSOL, PSB, todas as representações dos partidos que tem compromisso com a democracia, para formar uma grande frente e ampliar a votação de Haddad e Manuela no RS”.

A candidata ao Senado, Abigail Pereira, que se aproximou de um milhão de votos, destacou que a campanha, embora curta, foi de muita luta e firmeza das posições. “Fizemos uma campanha afinada com Haddad e Manuela e mostramos que o que está em jogo é o nosso país, que está enfrentando um retrocesso sem precedentes. Agora é nova eleição e temos a oportunidade de mostrar que Bolsonaro é Temer piorado. Nós vamos gritar muito alto para o Brasil inteiro ouvir ELE NÃO!”

Texto: Daiane Roldão

Foto: Claudio Fachel